sexta-feira, 27 de novembro de 2009

A FITA MÉTRICA DO AMOR

Como se mede uma pessoa? Os tamanhos variam conforme o grau de envolvimento. Ela é enorme pra você quando fala do que leu e viveu, quando trata você com carinho e respeito, quando olha nos olhos e sorri destravado. É pequena pra você quando só pensa em si mesmo, quando se comporta de uma maneira pouco gentil, quando fracassa justamente no momento em que teria que demonstrar o que há de mais importante entre duas pessoas: a amizade.

Uma pessoa é gigante pra você quando se interessa pela sua vida, quando busca alternativas para o seu crescimento, quando sonha junto. É pequena quando desvia do assunto.

Uma pessoa é grande quando perdoa, quando compreende, quando se coloca no lugar do outro, quando age não de acordo com o que esperam dela, mas de acordo com o que espera de si mesma. Uma pessoa é pequena quando se deixa reger por comportamentos clichês.

Uma mesma pessoa pode aparentar grandeza ou miudeza dentro de um relacionamento, pode crescer ou decrescer num espaço de poucas semanas: será ela que mudou ou será que o amor é traiçoeiro nas suas medições? Uma decepção pode diminuir o tamanho de um amor que parecia ser grande. Uma ausência pode aumentar o tamanho de um amor que parecia ser ínfimo.

É difícil conviver com esta elasticidade: as pessoas se agigantam e se encolhem aos nossos olhos. Nosso julgamento é feito não através de centímetros e metros, mas de ações e reações, de expectativas e frustrações. Uma pessoa é única ao estender a mão, e ao recolhê-la inesperadamente, se torna mais uma. O egoísmo unifica os insignificantes.

Não é a altura, nem o peso, nem os músculos que tornam uma pessoa grande. É a sua sensibilidade sem tamanho.

(Martha Medeiros)

quinta-feira, 19 de novembro de 2009

My sweet Mario...

...Um dia descobrimos que beijar uma pessoa para esquecer outra, é bobagem.
Você não só não esquece a outra pessoa como pensa muito mais nela...
Um dia nós percebemos que as mulheres têm instinto "caçador" e fazem qualquer homem sofrer ...
Um dia descobrimos que se apaixonar é inevitável...
Um dia percebemos que as melhores provas de amor são as mais simples...
Um dia percebemos que o comum não nos atrai...
Um dia saberemos que ser classificado como "bonzinho" não é bom...
Um dia perceberemos que a pessoa que nunca te liga é a que mais pensa em você...
Um dia saberemos a importância da frase: "Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas..."
Um dia percebemos que somos muito importante para alguém, mas não damos valor a isso...
Um dia percebemos como aquele amigo faz falta, mas ai já é tarde demais...
Enfim...
Um dia descobrimos que apesar de viver quase um século esse tempo todo não é suficiente para realizarmos
todos os nossos sonhos, para beijarmos todas as bocas que nos atraem, para dizer o que tem de ser dito...
O jeito é: ou nos conformamos com a falta de algumas coisas na nossa vida ou lutamos para realizar todas
as nossas loucuras...
Quem não compreende um olhar tampouco compreenderá uma longa explicação.

(Mário Quintana)

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

A Palavra

"...Sim senhor, tudo o que queira, mas sao as palavras as que cantam, as que sobem e baixam...Prosterno-me diante delas...Amo-as, uno-me a elas, persigo-as, mordo-as, derreto-as...Amo tanto as palavras...As inesperadas...As que avidamente a gente espera, espreita ate que de repente caem...Vocabulos amados...Brilham como pedras coloridas, saltam como peixes de prata, sao espuma, fio, metal, orvalho...Persigo algumas palavras...Sao tao belas que quero coloca-las todas em meu poema...Agarro-as no voo, quando vao zumbindo, e capturo-as, limpo-as, aparo-as, preparo-me diante do prato, sinto-as cristalinas, vibrantes, eburneas, vegetais, oleosas, como frutas, como algas, como agatas, como azeitonas...E entao as revolvo, agito-as, bebo-as, sugo-as, trituro-as, adorno-as, liberto-as..."

(A Palavra, Pablo Neruda, "Confesso que vivi", pg. 51.)

sábado, 24 de outubro de 2009

Arnaldo Jabor eh o tipo de homem que encanta e, as vezes, passa-se despercebido o quanto o "moco" eh vivido...pasmem, o cineasta ja esta quase na casa dos 70 anos.
Inteligente, irreverente e de um senso de humor inigualavel, tem colecionado textos e preciosidades, estampadas em todo quanto eh site na internet, verdadeiras perolas.
Quem ja nao leu, Mulher de 30, Mulheres Modernas, Eu te amo nao diz tudo?
Ainda nao leu?
Entao para o seu deleite, um dos textos sobre o assunto o qual ele mais gosta de falar (e eu mais gosto de ouvir, ler): Cronicas sobre o AMOR!



EU TE AMO... NÃO DIZ TUDO!

Você sabe que é amado(a) porque lhe disseram isso?

A demonstração de amor requer mais do que beijos, sexo e palavras.

Sentir-se amado é sentir que a pessoa tem interesse real

na sua vida,

Que zela pela sua felicidade,

Que se preocupa quando as coisas não estão dando certo,

Que se coloca a postos para ouvir suas dúvidas,

E que dá uma sacudida em você quando for preciso.

Ser amado é ver que ele(a) lembra de coisas que você contou

dois anos atrás,

É ver como ele(a) fica triste quando você está triste,

E como sorri com delicadeza quando diz que você está fazendo

uma tempestade em copo d'água.


Sente-se amado aquele que não vê transformada

a mágoa em munição na hora da discussão.

Sente-se amado aquele que se sente aceito, que se sente inteiro.

Aquele que sabe que tudo pode ser dito e compreendido.

Sente-se amado quem se sente seguro para ser exatamente como é,

Sem inventar um personagem para a relação,

Pois personagem nenhum se sustenta muito tempo.

Sente-se amado quem não ofega, mas suspira;

Quem não levanta a voz, mas fala;

Quem não concorda, mas escuta.

Agora, sente-se e escute: Eu te amo não diz tudo!


(Arnaldo Jabor)

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Eternos...

Ha pessoas...

Ha ocasioes...

Ha musicas...

Que sao...

simplesmente,...

como o vinho!



video
video

sábado, 18 de julho de 2009

Voce sabia?

Por que quem nasce no Rio Grande do Sul chama-se gaucho?




Uns dizem que a palavra vem do guarani e significa "homem que canta triste". A maioria, no entanto, aceita o termo como um sinonimo de guacho, que significa "orfao" e designaria os filhos cujos pais, uma india e um portugues ou um espanhol, haviam morrido. No principio, gaucho era a forma pejorativa usada para ladroes de gado e vadios. Servia tambem para os mesticos e indios que, fugindo dos primeiros povoamentos espanhois, cuidavam do gado. De tanto cavalgar pelas pastagens, eles se tornaram habeis cavaleiros, manejadores do laco e da boladeira. No seculo XVIII, os gauchos brasileiros foram importantes porque ocuparam as fronteiras e garantiram a manutencao destas para os portugueses. Como reconhecimento, a palavra gaucho perdeu o sentido pejorativo e passou a exaltar a coragem e o amor a terra.






E o que mais que o gaucho tem? Diga-me alguem... :-)











(Extraido de "O Guia dos Curiosos, Marcelo Duarte, Cia. das Letras)

domingo, 12 de julho de 2009

Stand by Me...

Quando a noite chegar
E a terra ficar escura
E o luar for a única Luz que se vê
Não, não vou ter medo
Não, não vou ter medo
Enquanto você ficar Ficar Comigo

E querida, querida Fique comigo, fique comigo
Fique comigo, fique comigo
Fique comigo

Se o céu que contemplamos
Despencar e cair
E a montanha Se desmoronar para o mar
Não vou chorar, não vou chorar
Não, não vou derramar uma lágrima
Enquanto você ficar Ficar comigo

E querida, querida
Fique comigo, fique comigo
Fique comigo, fique comigo
Fique comigo
Enquanto tiveres problemas
Não terás, se estiveres comigo
Fique comigo, fique comigo
Fique comigo, fique comigo
Fique comigo

sábado, 6 de junho de 2009

Carta aos meus queridos aluninhos...

A faxina em meus intermináveis papéizinhos pelas gavetas, fez-me encontrar uma carta escrita em Outubro de 2008 quando estive internada devido a uma cirúrgia.
Interessante como as palavras mesmo quando são as nossas, em determinados momentos possuem a capacidade de nos fazer refletir fazendo-nos voltar ao tempo, percebendo assim que conceitos e valores em nós fundados, podem até se perder no meio do caminho, mas jamais deixam de ser inerentes a nossa essencia.


Já fazem sete dias e nesse periodo já li e reli vários livros, desenvolvi um projeto de workshop, fiz duas músicas, fiz poemas, desenhos e o projeto da minha (possível) casa em Pardinho (seis mil habitantes)e ainda estou só na metade dos dias previstos de internação (eram duas semanas ao todo). Desse jeito serei obrigada a escrever um livro: Memórias do 11o. andar.
O interessante disto tudo é perceber o quanto não nos damos conta da capacidade que temos em ser criativos quando se há tempo hábil para isto. Nessa nossa frenética vida, o tempo é precioso, raro e quase sempre não percebido quando se há tanto para fazer, correr, falar. Recordo-me que os dias com voces eram ( ainda o são) ágeis, fast, mui rapidamente passavam-se, mal entrava em sala e já era hora de sair e saía então com a sensação de que: Puxa, eu ainda tinha tanto a dizer!
Mas aqui no 11o. andar do Enshu Byoin nenhum relógio tem pressa, as horas são longas, os dias e as noites então, Oh My God!!
Há porém nisto tudo um (mil) pontos positivos. O olhar constante da imensa janela do meu quarto, fez-me reparar em aspectos dantes esquecidos. É bem verdade, é um imenso mar de casas e prédios, trens e carros que correm contra o tempo, sirenes e pessoas. Mas, seguindo a linha do horizonte, também é possível enxergar o verde musgo das árvores, as montanhas, as cinzas nuvens e o céu que cobre toda essa imensidão.
Interessante foi redescobrir que não somos a massa somente, não somos números estatísticos, nem 1000 ou seja que número for por quilometros quadrado, somos únicos. Porque olhando para cada casinha, em cada prédio, há uma janelinha e dentro desta janelinha há alguém, com sonhos, metas, objetivos, tristezas, temores, anseios.
Li algo neste periodo muito interessante sobre isso e gostaria de transcrever-lhes:
"As grandes cidades ocidentais estão cada vez mais longe da crença fundamental no valor da alma de um ser humano. Nossa tendencia é ver a história em termos de um grupo de pessoas: classes, partidos políticos, raças e agrupamentos sociais. Aplicamos rótulos uns aos outros, explicamos comportamentos e atribuímos valores baseados nesses rótulos. Percebi que tenho visto os grandes problemas da humanidade à partir de um modelo matemático: percentuais do PIB, renda per capita, taxa de mortalidade, quantidade de médicos por mil habitantes. O amor, porém, nao é matemático, jamais poderemos calcular com precisão qual é a quantidade de bem a ser aplicada igualmente aos mais pobres e necessitados do mundo. A única coisa que podemos fazer e alcançar uma pessoa, depois outra, e mais outra, como objetos do amor de Deus!
(Trecho do Livro: Alma Sobrevivente, Philip Yancey)


Beijo,
Sandra

sábado, 30 de maio de 2009

Era uma vez uma rosa...


Passei a observá-lo a distancia...
Estou a olhá-lo por entre a fresta da porta,
cautelosamente fecho um dos olhos e permaneço na espreita,
receio que me vejas...
Lembro certa feita alguém dizer:
"Se fosses minha rosa estarias em minha redoma e passaria horas a fio observando-a."
Quem o observa agora sou eu.
Coloquei-o em uma redoma e passei a entender o sentido das palavras, no teu silenciar. Paradoxo...
Compreendi o que vi, e, entao, tardiamente "copiei" a mensagem...e o que fazias enquanto "dormia"...construías um mundo, o seu mundo, o nosso mundo?
Quem irá entender além de ti? Loucura! Certo que pensarao...
Poemas loucos, frases inpensadas possuem endereços certos e mensagens como esta, só poderiam ser emitidas a um único e exclusivo destinatário...
Nao choque, nao se assuste...ao sentir a brisa. Por vezes, mais forte do que eu...nao se contem, nao se detem...ja nao obedece ordens, faz aquilo que lhe convem!
Que importa se hoje ou agora, se amanha ou outrora, sabe- se lá o que se tem, sabe- se quem o tem e de que forma...espiritual, física, telepatia.
Se amar significa sempre querer o bem, e o bem que se faz é apartar-se, que se há de fazer? Resta continuar a amar e desejar o que de melhor se tem seja a quem te tem!
Se feliz e eu assim serei também!Serei? Diga-me alguém...

quinta-feira, 7 de maio de 2009

Quem está em crise?

Regina Célia em seu texto “Crise na Educação: Porque?” faz-nos refletir em diferentes aspectos: Afinal, o que está em crise? O educador? O educando? A educação? O que modifica o que? O macro o micro ou vice-versa?

A problemática em si já percorre longos anos. Mesmo em outros textos, em épocas diferentes como de Hannah Arendt intitulado "Crise na Educação" publicado no ano de 1957, é evidente que já há muito questiona-se a importância do formador de opiniões, o que é, sem dúvida, pauteado no texto de Regina Célia. Entretanto, vale lembrar que a mesma ressalta o padrão humano observado ao longo da história:


“...na Grécia de Péricles, o ideal era a formação do cidadão consciente e participante da administração de sua cidade-estado; na Roma dos césares, almeja-se formar o político loquaz e o bravo guerreiro; durante a Idade Média, era a formação do homem moralmente íntegro e do cristão temente a Deus; por ocasião da revolução comercial e, posteriormente, industrial, nas sociedades que sofreram de forma mais aguda e intensa o impacto dessa fase, propunha-se formar o burguês dotado de iniciativa e senso comercial.”



A humanidade fora mudando ao longo do processo histórico levando junto consigo seus conceitos de valores. Porém, em um dado momento esses valores se perderam e então nos transformaram nesta sociedade contemporânea que ao menos sabe para onde quer ir, que dirá, absorver conhecimentos, para ela, obsoletos.
Vemos que a problemática em si não diz respeito à métodos pedagógicos eficazes ou sistemas de ensino exemplares, o que se pauteia é: que tipo de cidadão pretendemos formar? Ou melhor colocando, estamos dispostos à faze-lo?
O Educador é aquele peixe que nada contra a maré em busca de algo que o faça sobreviver. E, se uma gota no Oceano é pouco aos olhos dos mais pessimistas, os utópicos acreditam sim, que de gota em gota chegarão lá. Se vive-se em uma sociedade corrompida que não sabe aonde quer chegar, seduzida pelo capitalismo selvagem aonde ter é mais importante do que ser, é chegado o momento onde precisamos questionar a que ponto conseguiremos influenciar o meio em que vivemos ou nos deixaremos ser influenciados por ele?
Quem está em crise afinal? A sociedade está em crise. A mesma aonde encontram-se educador e educando.
Cabe ao Educador a grande responsabilidade de decidir: Serei um agente da mudança? Ou esperarei outro Luther King, Lutero, Mandela, Madre Teresa surgirem?
Exagero? Pode ser, no entanto, se não for um agente modificador do meu micro- mundo, que dirá desta vasta extensão de mundo que Deus nos deu.
É o micro, em sua ousadia que transforma o macro, assim nos evidencia a História!

terça-feira, 28 de abril de 2009

Pedacinhos de Carvão....

A blogosfera é um mundo magnífico...
Tenho comentado com meus alunos a riqueza (claro, salvo algumas excessões) que encontramos dentro desse fantástico mundo virtual...
Já havia visto algumas vezes a surpreendente apresentação de Susan Boyle, uma senhora de quase 48 (como ela mesma disse), escocesa, apresentando-se no programa "Britains Got Talent", cantando a música "I dreamed a dream"(Les Miserables)...e, simplesmente fantástica...só ouvindo mesmo para conferir.
Acompanhando o post de um blog, e ouvindo mais uma vez Susan... talvez não consiga expressar tudo o que pessoas como ela e Paul Potts (lembram-se dele, apresentou-se no mesmo programa em edições diferentes)nos fazem sentir e refletir.
Sempre valorizei a essencia e sempre quis preservar o real valor das coisas, não o que elas expressam em seus rótulos mas o que possuem no seu mais recondito interior, guardado e escondido, muitas vezes que necessitam ser cuidadosamente lidos e apreciados. No entanto, não é raro às vezes que cometemos os mesmos erros os quais outrora condenavamos, julgando, rotulando, massacrando...pois o curso do mundo faz com que sejamos assim para nos assimilarmos melhor a ele, porém, o cuidado para não sermos levados por ele deve ser uma constante.
Lembro-me muito bem em uma maravilhosa viagem que fiz em companhia de um saudoso grupo e um querido mestre, hoje já chegando aos seus 80 anos, poliglota, Phd em Grego, escrevera diversos livros, proprietário de uma grande editora e outra que leva seu nome. Todos os dias quando estavamos tomando o nosso café da manhã, ele já havia feito sua caminhada matinal ao som de seu "walkman" ouvindo preletores desconhecidos da grande maioria. O interessante foi ouvir de sua própria boca que todas as vezes que ele começava a se achar alguma coisa, ele ouvia aqueles preletores e sempre tinha algo magnifico e diferente a aprender, sendo assim, deixava de se achar alguma coisa.
Aonde quero chegar com tudo isto...
Ouvir Susan Boyle e Paul Potts é enxergar como o ser humano é rico, é único...em seu dom natural que Deus o deu. E, que sonhos, existem e precisam ser perseguidos, sem contudo, deixarmos de ser e valorizar as raízes, deixando de fora a soberba e falta de humildade...e, ouví-los e ve-los todas as vezes, tornou-se para mim uma terapia divina: todo pedacinho de carvão, por mais insigficante que pareça ser, pode esconder dentro de si um precioso e admirável diamante!
É isso...

quinta-feira, 23 de abril de 2009

Mário Quintana

"A vida é o dever que nós trouxemos para fazer em casa.

Quando se vê, já são seis horas!
Quando se vê, já é sexta-feira...
Quando se vê, já terminou o ano...
Quando se vê, perdemos o amor da nossa vida.
Quando se vê, já passaram-se 50 anos!
Agora é tarde demais para ser reprovado.

Se me fosse dado, um dia, outra oportunidade, eu nem olhava o relógio.

Seguiria sempre em frente e iria jogando, pelo caminho, a casca dourada e inútil das horas.

Desta forma, eu digo:

Não deixe de fazer algo que gosta devido à falta de tempo, a única falta que terá, será desse tempo que infelizmente não voltará mais."
(Mário Quintana)

quarta-feira, 22 de abril de 2009

segunda-feira, 20 de abril de 2009

Embriagando-me...

Há noites assim...longas...
Foge-me o sono...perco-me em meus pensamentos...
Procurando respostas...tentando entender o inexplicável...
Por mais que recuse à faze-lo está ali, sempre perto...o pensamento em voce!

Dia frio...um bom lugar pra ler um livro...pensamento lá em voce...sem voce não vivo...


Vivo? Conseguirei? Poderia ser mais fácil...
É como um cheiro que impregna no corpo...já teve essa sensação?
De tanto inalar acaba-se por acostumar e vez ou outra sente-se o aroma, não através da olfato, mas da mente, dos sentidos...pois já faz parte de ti...tornou-se inerente!
E como livrar-se de algo que está habituado?
Um aroma só é substituído por outro aroma...
Já fez esta experiencia?
Alho? Esfregue as mãos com café...Sai o odor do alho e entra o aroma do café...
Que exemplo nada romantico...alho? Bem...eu adoro alho(branquinho, pele rosa)...rs, nada contra café...
É...mas é bem por ai...
Vou inalando esse cheiro...me embriagando...já faz parte de mim, não há como fugir...
Não há hora, não respeita meu sono, minha concentração...ele vem...
Um dia, quem sabe... outro aroma substituirá este, não sei se cedo ou tarde, não sei se agora ou depois...também não sei se quero ou não...só sei que gostaria que este cheiro parasse por misericórdia de machucar meu coração!

terça-feira, 14 de abril de 2009

A vida por Charlie Chaplin

A vida me ensinou...
A dizer adeus às pessoas que amo,
Sem tira-las do meu coração;

Sorrir às pessoas que não gostam de mim,
Para mostra-las que sou diferente do que elas pensam;

Fazer de conta que tudo está bem quando isso não é verdade,
Para que eu possa acreditar que tudo vai mudar;

Calar-me para ouvir;
Aprender com meus erros .
Afinal eu posso ser sempre melhor.

A lutar contra as injustiças;
Sorrir quando o que mais desejo é gritar todas as minhas dores para o mundo,

A ser forte quando os que amo estão com problemas;
Ser carinhosa com todos que precisam do meu carinho;
Ouvir a todos que só precisam desabafar;

Amar aos que me machucam ou querem fazer de mim depósito de suas frustrações e desafetos;
Perdoar incondicionalmente,
Pois já precisei desse perdão;
Amar incondicionalmente,
Pois também preciso desse amor;

A alegrar a quem precisa;
A pedir perdão;
A sonhar acordado;
A acordar para a realidade (sempre que fosse necessário);
A aproveitar cada instante de felicidade;

A chorar de saudade sem vergonha de demonstrar;
Me ensinou a ter olhos para "ver e ouvir estrelas", embora nem sempre consiga entendê-las;
A ver o encanto do pôr-do-sol;

A sentir a dor do adeus e do que se acaba, sempre lutando para preservar tudo o que é importante para a felicidade do meu ser;

A abrir minhas janelas para o amor;
A não temer o futuro;

Me ensinou e esta me ensinando a aproveitar o presente, como um presente que da vida recebi, e usá-lo como um diamante que eu mesma tenha que lapidar, lhe dando forma da maneira que eu escolher.
Charles Chaplin

segunda-feira, 13 de abril de 2009

Pensando em voce...

Pensar em voce...

Pensar em voce é...
sentir um frio na espinha...
algo que percorre todo o meu corpo, dos pés a cabeça.
Nada que possa ser explicável a mais ninguém, a não ser a voce, pois só voce poderia entender a veracidade do que é este sentimento.
Pensar em voce também é...
tentar entender em vão...
Procurando respostas, seja nos gestos, no que escreve, no que le, no que falas.
É tentar entender não com os sentidos, pois estes não me auxiliam agora, e, por isso talvez, a insegurança.
Olhar-te, tatear-te, degustar-te, cheirar-te, são feitos que fiz de olhos fechados, tão reais, tão perceptíveis que ainda que os chame de sofismas, não me importaria.
Pensar em voce é...
um afago, doce lembrança, triste esperança que prefiro carregar a ter que admitir que já fora, não o é mais.
Pensar em voce é...
admitir o erro, o absurdo, a indignação da repetição de atitudes tão enojadas por mim que acabei por fazer igual, invadindo espaços, quebrando individualidades, desrespeitando o ser tão único que és.
Pensar em voce é...
inevitável... e se tudo que insiste persiste...
ainda há em mim uma doce persistencia que canta e encanta, tráz lembranças e...
mesmo sabendo que não me escreveria mais, ainda sim, o coração doído, nesse triste alarido, adormece e desperta pulsando voce...
Pensar em voce é não entender mais nada...
Pensar em voce é perder o juízo, ignorar a razão...
Pensar em voce é algo que estou fazendo, em todo o momento...
Pensar em voce é a única maneira de ainda o ter bem aqui dentro, fervendo, ardendo em meu coração...

sábado, 11 de abril de 2009

É...há educadores e educadores...

Tenho acompanhado o caso da Universidade São Marcos através de alguns noticiários e alguns blogs, especialmente do renomado filósofo brasileiro Paulo Ghiraldelli Jr...e, olha para onde caminha a humanidade.
A Instituição em si, que também é(fora) muito renomada dentro do estado de São Paulo, entrou numa crise economica que passou a repercutir, primeiramente, com a demissão em massa de mais de 50 professores, para a contratação de outros professores menos renomados e, claro, com salários mais baixos. O que então era visto como uma retenção de custos para "salvar" a referida universidade mostrou-se um verdadeiro escandalo quando Dr. Paulo e sua equipe, passaram a tentar tirar a USM do abismo. Constatou-se que o cancer da Instituição eram na verdade o Reitor e Vice-Reitor, respectivamente.
O pior de tudo não é saber que a USM, aparentemente, não possui mais salvação. Triste é constatar que alguns formandos da universidade não conseguirão cadastrar seus diplomas nas referidas áreas cursadas, pois as mesmas não cumpriram com todas as exigencias do MEC; com isso, os cursos de Engenharia e Psicologia serão drasticamente afetados e não receberão do CREA e CRP sua certificação, impedindo os mesmos de atuarem.
Meu povo...aonde vamos parar?

Abaixo segue, na íntegra, a carta enviada pelo Dr. Ghiraldelli a possível salvação da São Marcos...

Carol


Por alguns dias imaginei que você poderia ser a reitora da Universidade São
Marcos. Pensei seriamente em prepará-la para tal. Com título acadêmico sério
(e não o tal do “diploma comprado”, que tantos “reitores” tem por aí), daqui
uns anos, você assumiria. Então, olhando para você, fiquei motivado em
salvar a São Marcos dos desmandos de seu pai e de seu avô. Eles continuam na
rota de morte da Universidade, colocada por seu tio e pela sua tia. Não
fazem a menor idéia do que é administrar uma universidade, mas continuam
ali, sem profissionalizar o serviço. Mas, Carol, descobri aquilo que todos
já sabiam. Você não terá uma universidade para ser a reitora. Pois a
Universidade São Marcos não tem problemas financeiros quase insolúveis
somente; o problema da São Marcos é até pior: reitor Ernani e vice-reitor
Ernaninho são o câncer da São Marcos, do mesmo modo que os seus tios também
o foram.


O que eles fazem de errado. Primeiro: eles são administradores de sítios
(sim, pequena propriedade, pois grande propriedade eles já não conseguem
tocar). Eles possuem jagunços que pegam o dinheiro no caixa da faculdade e
distribuem pela São Marcos, sem fazer uma contabilidade, sem planejar e sem
dar a mínima para a São Marcos enquanto instituição. Isso não é
administração, Carol, isso é simplesmente um menino que ganha a mesada do
pai e sai pagando aqui e ali dívidas que ele contraiu antes, exatamente por
saber que o pai é rico e que iria lhe dar o dinheiro. É assim que seu pai
age Carol. Ele não tem qualquer vocação para negócio. É um visionário – a
única coisa que tem de bom. Mas é um visionário incompetente. Como sua mãe
disse uma vez para mim: o Ernani pula de idéia em idéia e não concretiza
nenhuma. É verdade, Sandra fez o diagnóstico certo.


Tudo leva a crer, Carol, que além desse problema administrativo, ou melhor,
desse papel de “ejaculador precoce administrativo” que o Ernaninho
desempenha, há também o fato das contas da São Marcos estarem bloqueadas, o
que faz com que a mesada do seu avô para os três filhos seja disputadíssima.
Veja, nenhum dos filhos de Ernani Bicudo tem profissão; eles são já velhos e
vivem ainda da mesada do pai. E qual a mesada do pai? O pagamento dos alunos
no caixa da São Marcos. E eles não querem nem saber se os funcionários da
faixa dos 500 reais ficam sem dinheiro. Eles querem é continuar vivendo nos
Jardins – só! É não só mesquinharia Carol, é maldade – e você sabe disso.


E foi isso que envolveu os Ernanis, pai e filho, no episódio da Intermeio.
Tudo leva a crer que eles empurraram a Intermeio para fora da Universidade
na disputa entre eles por dinheiro. Pois a Intermeio levou os cheques e
documentos da Universidade e, no entanto, nem o seu pai e nem o seu avô
tentaram pegar o dinheiro de volta (seu pai fez um BO murcho, pressionado
por mim, só sexta dia 4!). E assim agindo, não prejudicaram somente a
Universidade, os professores e os funcionários, prejudicaram também os pais
dos alunos – principalmente os mais pobres.


E veja só o que presenciei.


Um homem com uma roupa bem suja, saído do trabalho braçal, veio pedir uma
carta para a Universidade, para que ele pudesse reclamar no banco e ter seu
nome limpo, dado que havia caído um cheque pré-datado no banco, deixando-o
sem crédito – a única coisa que ele tinha. Claro, ele pagou a escola
adiantado, o cheque foi levado pela Intermeio (eu achava isso, agora ...),
esta, por sua vez, depositou adiantado. Fui falar com seu pai sobre isso.
Pasme Carol, ele SABIA do cheque. Então, ele disse que era um cheque pago
para ele mesmo, um que não foi para a Intermeio ou até foi e chegou para
ele, e que ele repassou o cheque. Veja Carol, vamos analisar as duas faces:
uma primeira, seu pai está envolvido com a Intermeio, ou seja, ele pegou o
golpe do seu avô e então chantageou o seu avô, e passou a participar da
trama; ou então ele não está envolvido, apenas repassou o cheque. No
primeiro caso, ele é um crápula. No segundo caso, ele é um irresponsável e
uma pessoa má. No primeiro caso ele é chantagista do pai e partícipe no
roubo da Universidade que, no caso, Carol, é roubo não só dos alunos e do
patrimônio de São Paulo, mas roubo contra você Carol, a herdeira! Pois ele
está delapidando o que seria seu. No segundo caso ele é uma pessoa
irresponsável, má e perigosa, pois sabia que o cheque era de uma pessoa bem
pobre e, mesmo assim, repassou conhecendo bem o perigo de que o recebedor
certamente não iria respeitar o pré-datado. Dizer que não sabia não vale,
pois é geralmente isso que ocorre.


Entendeu Carol? Pois bem. Há um modo de salvar a São Marcos Carol. Ainda há
um modo de salvar a coisa. Basta você entrar na Justiça reclamando para você
a administração da São Marcos, tirando seu pai e seu avô, provando que eles
estão delapidando não só o patrimônio de São Paulo, mas o SEU patrimônio.
Caso seu pai não ceda em seu favor, então a máscara cairá. Pergunte para sua
mãe se não estou dando o melhor caminho. Ela não é uma avoada como seu pai.
Ela tem pé no chão. Caso faça isso, Carol, então minha equipe estará à sua
disposição para orientar você a administrar aquilo, e logo logo você terá
seus títulos e seguirá sozinha. Mas, se não agir rápido, não irá sobrar nada
ali na São Marcos. Não digo isso do ponto de vista financeiro. O problema é
de crise moral. A São Marcos está começando a ser vista como uma escola de
quinta categoria. E então, você tem brio para fazer essa revolução? Não
quero dinheiro nenhum, posso ajudar você orientando, e para tal nem preciso
sair de casa. Oriento na parte de como dirigir uma Universidade. Minha
equipe toca a coisa internamente para você. Sem problema. E isso com
supervisão pública dos professores.


Basta você entrar na Justiça pedindo o que de direito é seu e, então, como
maior de 21 anos, você será a proprietária. Com essa equipe de ouro que
tenho (e todos com salários que não ultrapassam 5.500 reais; veja, o Miro
iria tocar a secretaria toda, full time, por menos de 3 mil reais!),
deixaríamos a São Marcos um brinco. Você merece isso Carol, e a cidade de
São Paulo também.


Caso você não tenha coragem para tal, Carol, então deixe a São Marcos e
deixe seu pai ali. More com sua mãe e se prepare para ter sua vida
completamente longe da família do seu pai. Aquilo é doentio Carol,
completamente doentio. Você sabe disso.


Até outro dia! Vá em frente!


Paulo Ghiraldelli Jr., filósofo.



Puxa...que responsabilidade!!!!
Se essa é sua vocação...Força Carol!!!!

quarta-feira, 8 de abril de 2009

Que me faça sentir novamente...

Que me faça sentir novamente...

Lendo um blog em minhas buscas na internet deparei-me com a seguinte afirmação:


Não vale a pena nos andarmos a enganar... todos nós, procuramos algo nestas chamadas "salas" de "chat"...

O que eu procuro?
O que eu desejo encontrar?

Nesta fase do meu percurso, procuro um relacionamento amoroso, algo que me faça sentir novamente...

Nem preciso dizer o quanto lindo achei...

A Internet nos propicia o contato com muitas pessoas, reais ou não, sinceras ou não...
humanas ou não...
o fato é que encontramos muitas pessoas em busca de algo...ou alguém...para somente brincar ou, quem sabe, ter algo, realmente sério.
Nos diversos acessos que tive, diagnostiquei pessoas que somente queriam brincar...brincar em ser alguém...com fotos, perfis e palavras de outro alguém que não as suas...
Pessoas que diziam-se ser "Os Mestres da Sensibilidade", mas que ao acessar seus sites, logo vi quais eram as sensibilidades...
Pessoas diretas...até demais!

Será que os relacionamentos hoje baseiam-se somente ao corpo e o seu culto à ele?
E quanto ao amor, será que ainda existe alguém aí que realmente acredita ser ele possível e não um sonho irreal e inalcansável?

Bem...a frase "que me faça sentir novamente..." despertou algo dentro de mim e me fez acreditar que sim, existem pessoas que buscam pessoas, humanos que querem outro humano, almas sinceras que buscam uma como a sua e o melhor de tudo...flesh and bones...pessoas reais com sentimentos reais!

"A maior covardia de um ser humano
é despertar o amor no outro, sem ter
realmente a intenção de amá-lo!"

A máquina em si pode ser apenas uma máquina mas as pessoas que estão por trás delas são reais, portadoras de uma alma, que é o centro das emoções.

Para refletirmos...eu e você!

Horóscopo do Sangue...

No Japão perguntar o tipo sangüíneo de uma pessoa é tão comum quanto perguntar qual é o seu signo. Os japoneses acreditam que ter sangue A, B, O ou AB tem tudo a ver com a personalidade da pessoa.Ok, não vou aqui dizer que não acredito nessas coisas, de certa forma, esta minha curiosidade tem me feito ler sobre diversos temas, e, tanta curiosidade influenciou minha pequena, que vez ou outra, brada: não aguento mais esses aquarianos!rs...
Dois aquarianos + Uma ariana = Explosão. :)
Mas sobre um aspecto somos todos iguais, todos Ogatá.
Caso queira comparar as similaridades, ou não, segue a lista do...


"Ketsueki Gatá Uranai"

Sangue O

As pessoas tipo O são tranqüilas (é, geralmente), pacientes (até certo ponto eu diria), fortes (ou aparentam ser), boas nos esportes (tem alguma coisa errada aqui...rs), determinadas (isso sim!), autoconfiantes (é, às vezes dá-se umas derrapadinhas) e sabem controlar suas emoções (será?).

Geralmente, são emocionalmente estáveis. Porém, quando pressionadas além do limite, perdem o controle (ah...isso é fato!).

Pode-se dizer que o tipo O é a mais pura manifestação da natureza humana. As pessoas que possuem este tipo de sangüineo têm muita ambição por poder e prosperidade (ah, não vamos exagerar também). Também gostam de liderança e lutam por ela (isso é verdade, mas não no sentido de domínio).

São pessoas que cultivam hábitos, gostam de manter a mesma rotina, principalmente quando diz respeito à alimentação (quando é saudável tudo bem, mas...). Do mesmo modo, respeitam a hierarquia (ummmm).

Logo de cara, são fechadas e até competitivas (é, o desconfiometro é terribli). Mas depois que você consegue ganhar a confiança deles, se tornam muito amigáveis, fiéis (isso é concreto) e abertos.

:)

Sangue AB

Pessoas de sangue tipo AB são racionais, diplomáticas, organizadas e honestas.

Estão sempre travando um diálogo interior, pois têm dentro de si um pouco das pessoas tipo A e um pouco do tipo B. Para balancear as duas perspectivas, elas possuem um lado racional muito forte, que pesa todos os fatores antes de tomar decisões. Também são muito organizadas e conseguem fazer várias coisas ao mesmo tempo.

Valorizam muito a lógica e a palavra e têm um olhar muito bom para apreender o caráter das pessoas. Por conta disso, às vezes são taxadas de não-amigáveis e orgulhosas – mas é só porque sabem em quem podem ou não confiar. Apesar disso, é o tipo sanguíneo que se dá bem com todos os outros. Gosta de agir com justiça e evitar confusão.


Sangue B

As pessoas de sangue tipo B são otimistas, independentes, amorosas, sensíveis, criativas, cuidadosas e compreensivas.

Elas valorizam acima de tudo a liberdade. Dão mais importância ao pragmatismo e à individualidade e deixam um pouco de lado a ordem e as regras sociais. Odeiam ser controladas.

São intelectuais, gostam de ciência e estão sempre em busca de novas respostas.

Muitas vezes, não separam diversão e trabalho. Ou seja, precisam gostar muito do que fazem e, quando encontram um trabalho que envolva seus interesses, se dedicam com fervor. Caso contrário...

São sensíveis e compreensivas com as idéias e a personalidade das outras pessoas. Também são emocionalmente instáveis, independentemente do que acontece à sua volta. Seu humor se modifica de acordo com o que acontece em sua cabeça.


Sangue A


As pessoas de sangue tipo A são: meticulosas, reservadas, cheias de preocupações, indecisas, cautelosas e altruístas.

Elas gostam das coisas organizadas e consideram que respeitar as leis e regras é essencial para a sociedade.

São modestas e não gostam de exageros. Costumam se interessar pelas coisas mais quietas, delicadas e sutis. Não gostam muito de surpresas e mudanças. E, por serem muito “certinhas”, às vezes têm necessidade de extravasar através de hobbies.

Em geral, são muito desconfiadas e fechadas. Preferem ter poucos amigos, mas aos quais são totalmente fiéis. Acham que têm o dever de servir a humanidade e sentem mais prazer fazendo coisas pela sociedade do que para si. Colocam as “necessidades” sociais à frente de suas vontades.

Como são perfeccionistas, se dão bem em trabalhos que exigem atenção.

Quando estão apaixonadas, são completamente dedicadas ao seu amor.



See you...

terça-feira, 7 de abril de 2009

"I Believe I can Fly!"

Peculiaridades da Língua Portuguesa...

Saudade...
poderia existir em qualquer outro idioma, porém, ao que me consta, é peculiarmente pertencente à nossa Língua Portuguesa!

Talvez, por esta razão, nós, lusófonos, temos o privilégio (ou não) de conhecer (e sentir na pele) o seu profundo significado descrito assim em nosso e utilíssimo Dicionário Aurélio:

SAUDADE.
[Do lat. solitade, ´soledade´, ´solidão´]

1.Lembrança nostálgica e, ao mesmo tempo, suave, de pessoas ou coisas distantes ou extintas, acompanhadas do desejo de torná-las a vê-las ou possuí-las; nostalgia.
2.Pesar pela ausência de alguém que nos é querido.

O que mais surpreende é que nos itens 3 e 4(que preferi não mencionar para não tornar o texto mais extenso ainda), revela ser SAUDADE também uma espécie de planta denominada "dipsacáceas".

Que por sua vez, encontram-se, espalhadas em diversas espécies, especialmente em Portugal, popularmente conhecidas como Suspiros-Brancos, encontrados no Alentejo e Suspiros-Roxos, que encontram-se desde o Douro até ao Algarve.
Isto não vos parece por demais interessante?
Isto porque nem mesmo coloquei aqui tudo o que pesquisei sobre a possível plantinha, chamada SUSPIRO!

Ah...Portugal! Porque vive-nos à pregar peças?

Além da angustiante SAUDADE ainda tráz-nos uma plantinha SUSPIRO, e colorida?
Assim não há lusófonos que resistam tamanha intensidade na palavra.

Eu, reconhecida lusófona, tenho "suspirado de tanta saudade, como a tal plantinha...
dias está BRANCA, com uma lembrança suave e o intenso desejo de possuir!
Porém, em dias como este, ROXA, pelo pesar da ausência DAQUELE QUE ME É QUERIDO!"

Amo-te, minha linda Língua Portuguesa!

domingo, 5 de abril de 2009

Como Sakura...

Poderia ser mais fácil...no entanto, ao parar para refletirmos, tudo possui um ardor para cumprir seu propósito...
Tudo o que é exageradamente farto de beleza aos olhos, por um instante torna-se efemero, porém, não menos expressivo.
Aqui do outro lado do mundo, dia 20 de Marco comemoramos o Equinócio da Primavera. E, entao a triste paisagem deixada pelo inverno passara a ser gradativamente florida pelas belas e intrigantes Sakuras, cujas curiosidades mencionei no post anterior.
Há quem diga serem estas flores de cerejeira o mais belo símbolo feminino e fora paralelamente comparada a vida dos samurais, porque assim como as tais, viveram então, não menos esplendidamente, ainda que num curto espaco de tempo.
Aonde se vá, nao há como não notar. Sua maravilhosa vista enche-nos os olhos e seu aroma então...há a possibilidade de se encontrar diversos produtos, inclusive comestíveis.
Porém, inevitável não seria, fazer uma analogia para tanta beleza.
Sua chegada é extremamente ansiada e o período para que se possa observá-la é curto, sendo necessário épocas certas, até fins de abril ou breve começo de maio. Quando entäo, chegam sem piedade e fazendo suas lindas flores caírem das árvores: as constantes chuvas e os constantes ventos, derrubando-as, espalhando-as como num tapete ao chäo.
Será assim também o amor?
Espera-se tanto para que ele chegue, por vezes anos até, e, entäo...
Sem piedade as tempestades fazem as lindas flores despencarem em velocidades aceleradas...por mais que corajosamente tentem resistir, a lei natural faz com que elas façam aquilo para as quais foram concebidas: brilharem e abrilhantarem a vida por um doce e tão curto espaço de tempo.
O que fazer entäo?
Näo aguardar mais? Näo mais iludir-se com tanta efëmera beleza?
Ora...e entäo que sentido teria a vida se näo se fosse feliz e deixasse-mos que nos enche-se olhos? Ainda que soubéssemos que, provavelmente, seria por um täo breve espaço de tempo?
Não sei quanto à voce, mas a mim...Enquanto olhos tiver quero, embasbacada, apreciar sua beleza, deixando-me ser seduzida por ela, ainda que o saiba que daqui há alguns dias, elas näo mais estarão ali e daí então numa frenética constante...aguardarei até a próxima estaçáo...para mais uma vez deixar que ela cumpra o que veio fazer: trabalhar para que eu seja feliz, mais uma vez, fazendo deste período täo breve,alegrias memoráveis e eternas!
By Mi

Sakura


Sakura é o nome dado às cerejeiras em flor no Japão, pertencentes à espécie Prunus serrulata. Ao fruto dá-se o nome de sakurambo (cereja).



Nas cidades japonesas existem muitas cerejeiras nas ruas e nos parques, responsáveis por um verdadeiro espetáculo da natureza no início da Primavera, época em que a maioria das famílias japonesas sai para o tradicional piquenique embaixo das árvores floridas, o Hanami.



Flor de cereja é um símbolo da beleza feminina e sexualidade adicional, a flor de cereja também é o símbolo chinês feminino, e simboliza o amor em um idioma das ervas.



A flor de cereja é um símbolo comum moku hanga, isso é, uma arte japonesa tradicional que data muitos séculos atrás, e como uma conseqüência, é caracterizada freqüentemente em tatuagens que retratam contextos orientais.

O desenho da flor de cerejeira tem seu significado no Bushido, o código do samurai, leva a flor de cereja como seu emblema. A cerejeira era associada ao samurai cuja vida era tão efémera quanto ao da flor que se desprendia da árvore. O florescer da árvore de cereja é a mais pura manifestação de beleza na cultura japonesa, entretanto a flor enfraquece rapidamente e é espalhada pelo vento. Esta é a morte perfeita para um verdadeiro guerreiro que viveu com consciência constante e aceitação da filosofia Samurai e a natureza transitória de existência. A essência de Bushido, ou o Modo do Guerreiro, o verdadeiro Samurai vive conhecendo diariamente. O lema de um samurai é:

" Este é um dia bom para morrer ".